Bruno Edson
Benjamin Bruno do Carmo

Itabira, Minas Gerais, 1940

Equilibrista de objetos, homem-foca e malabarista. Filho dos cantores e violinistas Fausto do Carmo e Jovem de Lurdes do Carmo, Bruno Edson pertence à primeira geração. Aos seis anos mudou-se com a família para Franco da Rocha, em São Paulo, onde o Circo do Graveto fazia temporada. Ali encantou-se pelo malabares e começou a acalentar o desejo de ser artista de circo, com o apoio dos pais, que sonhavam em ter um filho artista. Enquanto cursava a oitava série em escola pública local, passava as tardes no Circo do Nhô Pai, onde estreou no rola pelas mãos do mestre Tarabian, que se apresentava no rola cômico. Depois de dois anos fazendo shows nas cidades paulistas de Mariporã, Caieiras e Atibaia, abandona o circo para trabalhar como servente de pedreiro na construtora Camargo Corrêa, onde ajuda a construir a Vila Nova Guará, na cidade paulista de Guaratinguetá. Nessa época, chegou na cidade o Circo-Teatro Revista Real da família de Dedé Santana, tendo como sócios o pai Oscar Salinas, Rodolfo Preto e Mario do Valle fazendo a praça. Dedé cuidava do espetáculo e o irmão Dino da estrutura do circo. Faziam parte do elenco a contorcionista Ondina Santana, os mágicos Dossel e Estercita Fernandes (irmã do palhaço Dengoso), Badi e Hildomar Pimenta, que lhe deu uma chance no picadeiro. Dos dezessete aos vinte e dois anos trabalhou como ator com Max Nunes e ensaiou homem foca e malabares. Em 1962, passou a se apresentar como ator cômico e equilibrista em teatros. Posteriormente, apresentou-se no Circo Bombril, Silvio Santos, tevê paulista, e fez cachês em boates com éulo de Almeida. Trabalhou nos circos Garcia, Medrano (no Brasil), Circo do Cortiça e Pavilhão François. Em 2014 recebeu o Prêmio Governador do Estado de São Paulo pelos cinquenta anos dedicados à arte circense.

← Voltar

Próximo →

 
Apoio
Incentivo

Realização